O sol brilha como o sorriso inocente de Rayssa Leal

As nuvens cinzas se espalham pelo Globo; a desesperança nos empurra ladeira abaixo; a fé parece algo distante, ópio de poucos; o medo torna-se banal, cotidiano, ingerimos no almoço, com arroz e feijão; os cadáveres sussurram palavras distantes, linguagem fragmentada, estatísticas que fingimos escutar.

Em outro mundo, os pássaros regozijam-se entre a música Clássica e o Baile de Favela de Rebeca Andrade; o Sol brilha como o sorriso inocente de Rayssa Leal; os peixinhos, coloridos e saltitantes, sem a menor cerimônia, acasalam-se com os peixes humanos Ítalo Ferreira, Fernando Sheffer e Bruno Fratus; em outro mundo, o Hino Nacional tem sentido, provoca arrepiamentos, choro, coração batendo forte, bum bum bum bum!

Entre dois mundos, o cronista sente-se feliz e triste; eufórico e deprimido; Patriota e de saco cheio; desesperado e esperançoso; cansado e com orgulho; sonhador e realista.

O cronista sente tudo isso e muito mais.

Coisas da Pandemia.

Coisas que a Olímpiada traz.

Compartilhar:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Curta nossa página no Facebook e acompanhe as crônicas mais recentes.