Eles não vão para Tóquio

Tecnologicamente, o Japão sempre esteve décadas à frente, até dos países mais desenvolvidos do Primeiro Mundo.
Natural seria que, em suas Olimpíadas, surgissem novas modalidades esportivas. Foi justamente o que ocorreu. Em relação à Olimpíada brasileira, por exemplo, a de Tóquio inovou muito. Fontes ligadas ao Comitê olímpico nipônico, atestam inclusive que ainda ficou muita coisa de fora. Jornalistas japoneses tiveram acesso a documentos confidenciais e vazaram algumas desses esportes não-oficiais na imprensa local. São eles:

SALTOS ORNAMENTAIS HÍPICOS: em 2021, os cavalos participariam da modalidade de saltos ornamentais. Com seus cavaleiros, os animais, precisariam saltar de uma plataforma elevada em direção à água, realizando movimentos estéticos durante a queda.

TÊNIS DE TRAMPOLIM: esporte presente desde as primeiras Olimpíadas modernas. Esse ano, o tênis incorporaria o trampolim. Todos observariam o suíço Roger Federer e o espanhol Rafael Nadal, no momento do saque, saltando para o alto para bater na bolinha.

BOXE ARTÍSTICO: na Olimpíada de Tóquio, para vencer uma luta, não seria mais aceito somente nocautear o adversário. Antes da disputa, cada participante deveria fazer quatro números de ginástica rítmica e ser avaliado por um grupo de juízes.

BASQUETE 11 X 11: inovação em relação ao tradicional basquete 5X5. Aqui seriam 11 jogadores em cada time, três bolas e quatro cestas de cada lado. O campo, por seu lado, seria reduzido ficando com a dimensão de uma pista de boliche.

ESGRIMA HARAQUIRI: uma homenagem à tradição dos samurais, na esgrima haraquiri vence aquele que se suicidar com a lâmina da maneira mais reverente, nobre e em linha com os pressupostos ‘zen’.

MARATONA DE SÉRIES: atletas-telespectadores do mundo inteiro competiri-am para ver quem aguentaria ficar à frente de um televisor assistindo, non-stop, séries estúpidas como 13 Reasons Why, Frontier, Friends from College e Gipsy.

VÔLEI DE ALTURA: uma versão semelhante ao vôlei de praia, mas com apenas dois jogadores. As regras seriam iguais às tradicionais. No entanto, os atletas competiriam equilibrando-se numa corda esticada entre os dois edifícios mais altos de Tóquio.

GOODMINTON: o badminton é uma mistura de tênis com vôlei, em que a bola é uma peteca. Na nova modalidade, o goodminton, os atletas seriam todos da religião quaker, conhecida pela bondade, compaixão e pacifismo de seus seguidores.

CANOAGEM FURADA: é uma modalidade em que o canoísta deveria completar um percurso em corredeira no menor tempo possível. Mas numa canoa furada no casco e sem remos.
A estreia da nova versão foi adiada para a próxima Olimpíada porque, nos testes, nenhum atleta chegou vivo ao final das provas.

Compartilhar:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Curta nossa página no Facebook e acompanhe as crônicas mais recentes.