PÓDIO É PODER

Demorou, mas está chegando. O pódio andava mesmo precisando delas. Meninas, algumas franzinas, todas carregando a história de outras tantas. Meninas que lutam, que saltam e que fazem o diabo em cima de uma tábua com rodinhas. Meninas que surpreendem, que emocionam, que carregam o mundo em seus movimentos.
A menina que dá o golpe exato, no momento certo e o juiz não vê. É a menina Brasil, que merece, mas não leva. A outra entrou marrenta, cara fechada e ficou com o bronze. Mexeu com uma, mexeu com todas. A menina dançou um funk que terminou em um salto triplo que deixou o Brasil suspenso no ar, em aflitiva expectativa. Pousou levemente para receber a prata. A menina americana, da plateia, vibrou por ela e aplaudiu feliz. Elas por elas. Driblando as adversidades, outra menina, a nossa craque de futebol, dedica a sua vitória à sua esposa. Coisa linda de se ver. A menina que desliza sua inocência e candura na pista e na rampa é o Brasil sobre rodinhas, achando um caminho onde todos veem obstáculos. São assim as nossas meninas.
Mas não pensem que elas se contentam com pouco. Agradecem, sorriem, se emocionam. Mas sabem que ainda têm muitos tatames, barras e pistas pelos seus caminhos. E elas vieram para vencer. Sabem que suas vitórias são conquistas de muitas. Carregam a responsabilidade com determinação, sentimento e propósito. Sabem que o pódio eleva as suas causas, destaca as suas questões, inspira as suas iguais. São meninas, sabem da importância que isso lhes dá. Sobem no pódio como quem toma posse. De suas vidas, de seus destinos, do mundo.
É esse Brasil feminino que desponta para o futuro. É nele que depositamos nossas esperanças. Com elas, a pátria mãe volta a parecer gentil. E o Brasil vai conquistando medalhas de inclusão, superação e feminilidade. Um país menos machão, menos cafajeste, mais suave e mais feliz vai surgindo, aqui e ali, cada vez que uma dessas meninas sobe no pódio.
Só posso torcer, com os olhos marejados, por cada uma dessas meninas, como se fossem minhas filhas. E se for possível, quero voltar, um dia, a torcer pelo Brasil.

Compartilhar:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Curta nossa página no Facebook e acompanhe as crônicas mais recentes.

Crônicas Recentes.