Da fria abertura

Cansado de tecnologia procurava gente na multidão. O laser e os hologramas já não impactam faz quarenta anos & cansei de meu casamento com Lara Croft: dai-me 
o humano por favor o demasiado humano ! por favor! porque do primeiro Nietzsche a gente nunca esquece ! desde o ursinho Misha ou o Paulinho da Viola cantando Hino Nacional Brasileiro com o Zeca Pagodinho  salve salve ! o que me move é o tesão epidérmico quebrando essa fria distopia : que frieza ver um imperador sem súditos com as arquibancadas nuas….toparia até ´´Chariots of Fire´´ em câmara lenta feito pano de fundo para o saque estelar dalguma ´jabulani´ menos um emoji porque no pós=pandemia vamos buscar um e muitos ´hapennings´ nada cerimoniosos a casa instante muitos beijos & amassos : alguma sensorialidade pré-cibernética por favor ! troco todo aparato high-tech japonês por meu velho walk-man tijolo amarelo tocando bossa-nova : em 2024 gente muita gente com Montparnasse se amando aos borbotões ! luz muita luz dos corpos exaustos de amor em 2024…

Compartilhar:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Curta nossa página no Facebook e acompanhe as crônicas mais recentes.

Crônicas Recentes.