Baile de Favela

não é por falta de assunto ao contrário é o excesso de movimentos, estímulos, personagens, vibrações, passos em falso, lapsos, arremessos mal dados, algum transtorno fora das pistas / raias / quadras escritores somos bombardeados por informações, solicitações de opinião, fatos , fotos, clicks, zap, zooms , memis, emojis : é a profusão de assuntos . como diria Machado : ´´O tempo é um tecido invisível em que se pode bordar tudo´´ onde tecemos nessas linhas fugazes até Paris onde sempre imagino uma trilha sonora como aquele de Sidney Bechet usada por Woody Allen. imaginem Paris que já é por si uma algazarra em meio Jogos Olímpicos? . quantas Rebeccas & Fadinhas não surgirão ? e bom dos Jogos Olímpicos é sua pressa em alguns dias porque eterno feito que é chama enquanto o grão não morre lembramos até o outro mega-certame : quando passa pipocam em nós os melhores lances que viram outra coisa tal o tempo que é reinventado como memória …não é que vendo ele passar me percebo melhor que minha contemporânea dos anos 70 carregada de botox a Nadia Comaneci  nessa era agora tranZmoderna onde a ginasta baila com hit de favela e isso prova que mais gente faz parte desse espetáculo que é o esporte!

Compartilhar:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Curta nossa página no Facebook e acompanhe as crônicas mais recentes.

Crônicas Recentes.