Crônica

Avante, Filhos da Pátria

Neste ano, teremos olimpíadas, o que nos propicia a possibilidade de ouvirmos hinos de muitos países durante as cerimônias de entregas de medalhas. No caso do hino do país sede desta edição dos jogos, a França, no último dia 25 de abril, completaram-se duzentos e trinta e dois anos desde que foi cantado a primeira vez, em 1792. Composto por Claude Joseph Rouget de Lisle, La Marseillaise, ou a Marselhesa,

Leia Mais »

Cumprida mais uma etapa de aprendizado

E acabou mais uma edição dos Jogos Paralímpicos, essa de Tóquio, em que o Brasil bateu recordes sobre recordes, fez sua melhor apresentação, ficou em sétimo lugar, ultrapassou as 100 medalhas de ouro, superou-se a si mesmo e todos os percalços possíveis. Quatro anos atrás, estava eu no Rio de Janeiro cobrindo os jogos passados quando recebi a notícia da morte de um grande amigo. As emoções todas se misturaram,

Leia Mais »

É cem!

De repente cem medalhas. Sem nenhuma pretensão, sem muitas delongas, sem falsa modéstia, sem qualquer forma de tapetão. São cem medalhas douradas conquistadas ao longo dos jogos paralímpicos, e que cuja marca foi alcançada agora, em Tóquio, por sinal a edição com a melhor participação da história do Brasil, com 22 ouros, 20 pratas e 30 bronzes. Nossos atletas paralímpicos são cem, todo eles, incluindo aí Thiago Paulino, dono da

Leia Mais »

SINS E NÃOS

Aí a pessoa é cega e joga futebol, e não tem os braços e nada em alta velocidade, e tem uma prótese e voa baixo, pelas faixas da pista. Não, não é superação. É talento, é escolha, é caminho decidido a cada dia, como o de qualquer um de nós. Nas bilhões de pessoas que existem no planeta, as deficiências e habilidades convergem, se atropelam, se expressam, se impõem, são

Leia Mais »

Em primeiro lugar os outros, depois ele, o campeão

A 100ª medalha de ouro do Brasil na história dos Jogos Paralímpicos veio com o recorde mundial no atletismo, nos 1.500 metros (classe T11, cegos). Disparado. O autor do feito histórico, o atleta Yeltsin Francisco Ortega Jacques, nasceu com baixa visão (0,5%), em Campo Grande (MS), em 1991. Todo mundo viu pela televisão ele e seu inseparável atleta-guia Carlos Antônio dos Santos, o Bira, faturarem esse cobiçado ouro. Nosso Yeltsin

Leia Mais »

Qual é o laço que nos liga?

Um laço, feito com uma fita. Um laço, afeto que nos liga. Elos de ligação, abraço, o entrelaçar-se dos corpos. Quando criança, as tranças do meu cabelo eram feitas com fitas, muitas delas e de toda as cores, e que com um laço minha mãe dava o toque final ao acabamento. Doía a puxada no cabelo para que o resultado saísse perfeito. Hoje, as tranças dos penteados infantis ficaram no

Leia Mais »

Porque não é sobre superação, mas pertencimento

Segunda-feira, eu começo a dieta. Na terça-feira, eu paro de fumar. Já na quarta-feira, eu me matriculo na academia. E na quinta-feira, eu inicio o curso de inglês. No dia seguinte, sexta-feira, eu troco a pilha do relógio. No sábado, eu levo o secador para arrumar. E no domingo, eu me arrependo por não ter conseguido cumprir as metas da semana que eu me propus, então eu inicio um novo

Leia Mais »

Resultados de uma “década”

Esta aí da foto é a Silvânia Costa, a sul-mato-grossense que levou uma medalha de ouro hoje no salto em distância para cegos, saltando 5 metros. Não é fichinha, não é abobrinha. É alto desempenho. Veterana em conquistas, Silvânia ajudou o Brasil a subir mais alto no quadro de medalhas e mostrar a sua força. Mas não é apenas a força de vontade, o espírito de superação e disciplina que

Leia Mais »

Nosso paradoxo paralímpico

Já dá para acreditar que o Brasil seja uma potência nos esportes paralímpicos. Hoje, sexta feira, 27 de agosto de 2021, estamos em sexto no ranking de Tóquio 2020 e tudo indica que a penca de medalhas tenda a aumentar. Que seja assim. Nossos atletas paralímpicos são admiráveis em superar o destino, os revezes da vida e em esbanjar uma alegria comovente, misturada à gratidão, a cada ouro, prata e

Leia Mais »

Para tudo!

Para tudo! Para ver. Para apreciar. Para assistir. Para sofrer. Para chorar. Para solidarizar-se. Para torcer. Para não dormir. Para entusiasmar-se. Para encantar-se. Para vibrar. Para vislumbrar. Para implorar. Para rezar. Para cantar. Para registrar. Para curtir. Para compartilhar. Para postar. Para vivenciar. Para ouvir. Para ler. Para mim, um texto. Para você, uma leitura. Para a imprensa, registros. Para eles, competição. Para os pescoços, medalhas. Para o Brasil, idolatria.

Leia Mais »