Termópilas

Nesse frio paulista , alinhavando essas ruminações sobre o estado das coisas , afinal a crônica é a poesia de bermudas e somos capazes de ter alguma leitura atenta dos dias que correm como nunca pelo ponto de vista do esporte : aliás outro nome para espetáculo , vibração, alguma beleza entrevista…. tenho com meus botões e sinapses que além da partida, placar, ´score´, da pontuação estrita o que temos nos jogos olímpicos é a mimetização estilizada de nossa faina ( termo antigooo) nesse barco meio sem rumo onde pagamos com suor do rosto e da alma algum sentido provisório que nos sustente a lida….numa imensa raia para não perder fôlego , de braçada porque se paramos para pensar para que tanto esforço? Me apiedo mais da menina Rayssa transformada em ´Shirley Temple´ do mercado das marcas, curtidas e pistas que do heroico niilismo positivo de Simone Biles : tornar a marca de uma esportista adolescente laureada em ´orgão de propriedade´ o que seja isso por ter um qualitativo ´´fadinha´´  é duma truculência mercantil que me assusta tanto quanto ver um bebê amestrado soletrando palavras difíceis para propaganda de banco….Simone Biles foi duma ousadia altura dos grandes abdicantes: ganhar tudo desdobrar-se por medalha sobre medalha quando já se provou tanto é buscar o Batalhão dos Trezentos contra a o Império Persa: só a grandiloquência do ridículo nos dá dimensão de perder a cabeça por delicadeza para com qualquer esquema…..

Compartilhar:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Curta nossa página no Facebook e acompanhe as crônicas mais recentes.

Crônicas Recentes.