O que diz Rebeca Andrade

Quando a gente participa de um projeto como o Crônicas Olímpicas, ao lado de craques do país inteiro, o maior temor é repetir o que todos já disseram. Por isso tento fugir dos temas mais quentes e mostrar um olhar enviesado, pra algum detalhe no qual ninguém está prestando atenção.
Mas hoje, depois que acordei às 5h45 pra ver o ouro de Rebeca, como fugir daquela pra quem todos os olhos estão voltados? Rebeca não é nosso orgulho e nossa alegria só porque ganhou o ouro no salto sobre o cavalo, duas medalhas numa só edição dos Jogos Olímpicos. É pelo conjunto da obra. Por ser quem é, por agir como age, por passar pelo que passou, por dizer o que diz.
E o que diz Rebeca Andrade? Com palavras, ela diz que ficou feliz por ter ido ali trabalhar e se divertir. Não pra ganhar medalha. Embora a vitória, claro, a encha de felicidade, como não poderia deixar de ser.
Isso ela diz com as palavras. Com o corpo, com o gesto, com o olhar, Rebeca diz muito mais. Diz do povo brasileiro, da luta, da superação, da conquista, do orgulho de ser quem é, da leveza que a gente tanto procura nos tempos tenebrosos que vivemos.
E diz uma coisa na qual acredito há muito tempo: a mulher negra é o nosso futuro, a nossa salvação. Viva Rebeca, viva a mulher negra!

Compartilhar:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Curta nossa página no Facebook e acompanhe as crônicas mais recentes.

Crônicas Recentes.